sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

A Fantastic Woman

Nome do Filme : “Una Mujer Fantastica”
Titulo Inglês : “A Fantastic Woman”
Titulo Português : “Uma Mulher Fantástica”
Ano : 2017
Duração : 103 minutos
Género : Drama
Realização : Sebastian Lelio
Produção : Sebastian Lelio/Pablo Larrain
Elenco : Daniela Vega, Francisco Reyes, Aline Kuppenheim, Luis Gnecco, Amparo Noguera, Nicolas Saavedra, Trinidad Gonzalez, Nestor Cantillana, Antonia Zegers, Alejandro Goic, Sergio Hernandez, Roberto Farias, Cristian Chaparro, Diana Cassis, Eduardo Paxeco, Paola Lattus, Felipe Zambrano, Erto Pantoja, Fabiola Zamora, Pablo Cerda, Barbara Mundt, Veronica Garcia Huidobro, Paulina Hunt, Hugo Moraga, Marcial Tagle, Loreto Leonvendagar, José Antonio Raffo, Pablo Greene, Alonso Torres, Moises Angulo, Senen Selim, Francisco Gonzalez, Diabla.

História : Marina Vidal é uma jovem trangénero aspirante a cantora. Certo dia conhece Orlando, um homem bastante mais velho, por quem se apaixona. Os dois amam-se profundamente e são felizes. Mas quando Orlando morre repentinamente, Marina vê-se obrigada a enfrentar a família dele, que nunca reconheceu aquela relação e que é incapaz de aceitar a rapariga.

Comentário : Este filme foi quase como se eu tivesse levado um murro no estômago, que grande filme. É sem dúvidas, um dos melhores filmes que eu vi nos últimos tempos. Através desta obra, nós confirmamos que o ser humano é muito cruel e não respeita quem é diferente. Existem aqui cenas que nos deixam a pensar, temos planos bem interessantes, imagens que são usadas exclusivamente para destacar a protagonista. E digo mais, para aquilo que é, ela é muito mais mulher do que muitas que andam por aí. Só o facto de ela ter aceitado se expor daquela maneira, ela simplesmente deixou-se humilhar e apesar de ter servido um propósito, não havia necessidade. Ainda nessa sequência, o realizador podia ter optado por ir mais longe e tenho a certeza que grande parte das pessoas que viu o filme estava a desejar isso, mas ainda bem que não aconteceu, em vez disso, o director vira a camara e deixa-nos a supor e a imaginar o que aconteceu. Não é filme para todos os públicos, o seu ritmo lento não irá agradar a grande parte de quem o for ver, mas para quem gosta de cinema a sério, este filme é um prato cheio. É incrível como, na vida real, existem pessoas que sofrem bastante com o preconceito e que não são respeitadas por serem diferentes. A Daniela Vega é a grande estrela da fita, ela carrega o filme todo nos ombros, para além de se expor mais do que o necessário, ela possui uma excelente prestação e dá uma mulher bastante aceitável, a actriz convence com a sua personagem, só lhe faltam as curvas. Existe uma sequência musical numa discoteca que eu não gostei, penso que era desnecessária. A cadela é muito bonita. Todo o elenco de secundários está de parabéns, estiveram à altura do desafio. A sequência final é linda. Um filme que todo o verdadeiro amante da sétima arte devia ver. 

A Woman's Life

Nome do Filme : “Une Vie”
Titulo Inglês : “A Woman's Life”
Titulo Português : “A Vida de Uma Mulher”
Ano : 2016
Duração : 119 minutos
Género : Drama
Realização : Stephane Brize
Produção : Milena Poylo/Gilles Sacuto
Elenco : Judith Chemla, Jean Pierre Darroussin, Yolande Moreau, Nina Meurisse, Swann Arlaud, Olivier Perrier, Clotilde Hesme, Alain Beigel, Finnegan Oldfield, Lucette Beudin, Jerome Lanne, Melie Deneuve, Lise Lametrie, Sarah Durand, Henri Hucheloup, Remi Bontemps, Martin de Mondaye, Jean François Jonval.

História : Jeanne, uma jovem mulher, regressa a casa dos pais após concluir os estudos num convento. Com uma existência limitada à vida em clausura e a cabeça cheia de sonhos, ela tem uma visão pueril e romanceada sobre as relações humanas. Nada preparada para a vida adulta, aceita casar-se com Julien de Lamare, por quem se apaixona e com quem espera viver uma grande história de amor. Contudo, após o casamento, ele revela-se distante, avarento, machista e infiel.

Comentário : O título desta obra é exactamente aquilo que o filme mostra ao longo de quase duas horas, ele conta a história de uma mulher desde o momento em que ela regressa a casa e fica noiva até, décadas depois, quando ela acaba na falência, sozinha e com a neta nos braços. Não vou mentir, é um filme muito triste e deprimente, em tirando os primeiros cerca de quinze minutos, a nossa protagonista passa o resto do filme sempre em sofrimento, devido às constantes desilusões que vai tendo. A nível visual, é tudo muito bonito, a ação do filme decorre totalmente no campo e isso permite-nos ter cenas muito belas. No entanto, os interiores também são muito bem filmados. Existe uma sequência que decorre à noite que está muito mal conseguida. Além disso, nota-se perfeitamente que é uma fita de baixo orçamento.

Trata-se de um filme de época e a realização realça muito bem a maneira de agir das pessoas daquele tempo, bem como a forma deles verem as coisas, quase nada é deixado ao acaso aqui. As cenas em que a protagonista está triste e deprimida são cruzadas com imagens de alturas do passado em que ela foi feliz. A Judith Chemla está muito bem neste filme, além de possuir a melhor prestação do longa, a actriz consegue transmitir na perfeição o peso do sofrimento que ela acumulou ao longo de décadas, ela é uma mulher profundamente marcada pelo desgosto e pelas amarguras. O actor que desempenha o marido dela passa na perfeição a imagem da maioria dos homens casados daquela época, em que ao principio corre tudo muito bem, mas a partir de certa altura, transformam as vidas das esposas num verdadeiro inferno. Yolande Moreau e Nina Meurisse dão excelentes personagens secundárias, elas são um bom apoio à protagonista. No fundo, é um bom filme de época.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Lover For A Day

Nome do Filme : “L'Amant D'un Jour”
Titulo Inglês : “Lover For A Day”
Titulo Português : “O Amante de Um Dia”
Ano : 2017
Duração : 76 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Philippe Garrel
Produção : Said Ben Said/Michel Merkt
Elenco : Eric Caravaca, Louise Chevillotte, Esther Garrel, Paul Toucang, Felix Kysyl, Nicolas Bridet, Marie Sergeant, Justine Bachelet, Laetitia Spigarelli.

História : Gilles, professor de filosofia, namora e vive com uma das suas alunas, Ariane. Tudo vai bem até ao dia em que a filha de Gilles, Jeanne, da mesma idade de Arianne, vai morar com eles após acabar a relação amorosa em que estava.

Comentário : Antes de mais, quero dizer que gosto do papel que a família Garrel desempenha no cinema, e no caso de Philippe, ele é um dos melhores realizadores a trabalhar em França. Sendo eu um grande apreciador de cinema europeu e mesmo já tendo visto alguns filmes de Philippe Garrel, fui para este filme com uma enorme expectativa, afinal, ultimamente, os seus filmes são quase todos bons. E as suspeitas confirmaram-se, estamos perante mais um grande filme do realizador. Mais uma vez, ele oferece-nos um filme a preto e branco, eu confesso que gosto tanto dos filmes dele, quer sejam a cores ou a preto e branco e aqui, a fotografia das suas obras é sempre de qualidade. O realizador sentiu-se mais uma vez à vontade para nos contar a sua nova história e novamente nos faculta uma narrativa que envolve algumas emoções humanas. O amor, a traição, o conforto de uma relação estável, a dor da perda, o fim de uma relação, as carências afectivas, a necessidade de termos ou não um companheiro amoroso, a irrelevância da diferença de idades ou a amizade. Enfim, estes e outros temas, são todos muito bem trabalhados e desenvolvidos pelo cineasta que quase transforma o seu filme num cocktail de emoções.

Eric Caravaca vai bem no papel do homem de quarenta anos, divorciado e que mantém um caso amoroso com uma rapariga que podia ser sua filha, a interpretação do actor é boa, ele transmite muito bem a insegurança própria de alguém no seu lugar, ou seja, a qualquer momento, ele está sujeito que a sua menina o traia com um rapaz da idade dela. A Louise Chevillotte representa muito bem a rapariga extrovertida e cheia de vida, que acha que pode tudo e que é livre, só porque namora e vive com um homem vivido que tudo fará para a proteger e estimar e que jamais a deixará. Esther Garrel, por seu turno, tem também uma interpretação bastante consistente, ela convence na figura da rapariga que foi abandonada pelo namorado e que está a sofrer esse desgosto. De frisar também que as duas actrizes funcionam bem juntas, possuem uma boa química. As cenas de sexo estão bem filmadas e a cuidada banda sonora nos embala devidamente neste curioso triângulo quase familiar. Vale lembrar que Esther Garrel é neta do actor Maurice Garrel, é filha do realizador Philippe Garrel e é irmã do famoso actor Louis Garrel. Com “O Amante de Um Dia”, Philippe Garrel completa assim a sua chamada “trilogia do amor”, iniciada em 2013 com “Ciúme” e continuada dois anos depois com “À Sombras das Mulheres”. Ficarei à espera do seu próximo filme.

Churchill

Nome do Filme : “Churchill”
Titulo Inglês : “Churchill”
Titulo Português : “Churchill”
Ano : 2017
Duração : 106 minutos
Género : Biográfico/Drama/Histórico
Realização : Jonathan Teplitzky
Produção : Claudia Bluemhuber/Nick Taussig/Piers Tempest/Paul Van Carter
Elenco : Brian Cox, Miranda Richardson, Ella Purnell, John Slattery, Julian Wadham, Richard Durden, James Purefoy, Danny Webb, Jonathan Aris, George Anton, Steven Cree, Peter Ormond, Kevin Findlay, Miro Teplitzky, Angela Costello, Penny Sharp.

História : Às vésperas da Operação Overlord, quando tropas aliadas desembarcaram na Normandia para enfrentar os nazis, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill batalha para que a ação militar seja cancelada.

Comentário : No mesmo ano, tivemos dois filmes sobre Winston Churchill e dois actores a representá-lo : Brian Cox e Gary Oldman. Como já vi os dois filmes, sou livre para fazer comparações, mas não o farei e apenas me limitarei ao básico, tudo porque cada filme é único e além do mais, as duas fitas, apesar de falarem do mesmo homem e de terem algumas semelhanças, abordam períodos diferentes. Agora, se me perguntarem de qual eu mais gostei, respondo claramente que gostei dos dois, mas prefiro o filme de Joe Wright. Enquanto que “Darkest Hour” abordava o período em que Winston Churchill estava no começo do seu mandato como primeiro-ministro britânico, este “Churchill” passa-se cerca de quatro anos depois, já quando a guerra estava quase a terminar. O que têm em comum, bom, em ambos os filmes, Winston Churchill é visto como alguém firme nas suas convicções e determinado em impedir um massacre envolvendo jovens soldados. Em resumo, os dois filmes apresentam Winston Churchill como sendo um homem da paz. No entanto, isto é a imagem que estes dois filmes pintam dele, porque um amigo meu já me disse que se os americanos não viessem ajudá-los, a coisa dava para o torto e Churchill passava a ser conhecido como um dos piores britânicos de sempre em vez de um dos melhores como é actualmente interpretado, e tudo isto com consequências drásticas e dramáticas para a Europa. Esse meu amigo até foi mais longe e disse que se aquela guerra fosse ganha pelos alemães, hoje em dia estaríamos todos a falar alemão como língua dominante. Este filme protagonizado por Brian Cox é mais curto do que deveria, ainda assim a nível técnico, está muito bem conseguido.

A direcção de atores é muito boa, sendo a realização apenas razoável, nota-se claramente que não se trata de uma grande produção. Como eu já disse, a nível técnico, o filme está muito bom. O guarda roupa está impecável, a fotografia dá-nos uma ideia de como eram os ambientes naquela época, a banda sonora é agradável e temos bons planos. O Brian Cox está excelente neste papel, ele convence com a sua maneira de andar pesada e lenta, a maquilhagem que ele carrega faz dele um Churchill marcado pelo quotidiano, além do mais, ele interpreta muito bem o papel. A Miranda Richardson está impecável como esposa de Churchill, ela diz ao marido aquilo que ele precisa de ouvir mas não quer ouvir, a actriz mostra com a sua interpretação que é uma mulher cansada da vida de casada, mas ainda assim, ama o marido. A Ella Purnell vai bem no papel de secretária pessoal de Winston Churchill, a miúda é muito bonita e teve uma boa prestação, as roupas de época ficam-lhe muito bem, além disso, a sua personagem partilha com Churchill uma das sequências mais dramáticas e fortes do filme. E o John Slattery cumpre bem o papel de militar altivo e insensível, disposto a sacrificar centenas de jovens soldados em nome de uma causa, em nome de uma guerra inútil. No fundo, trata-se de um bom filme biográfico que, tal como “Darkest Hour”, prova que a Guerra é inútil, mata inocentes, serve os grandes interesses e alimenta os poderosos. 


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

The Disaster Artist

Nome do Filme : “The Disaster Artist”
Titulo Inglês : “The Disaster Artist”
Titulo Português : “Um Desastre de Artista”
Ano : 2017
Duração : 105 minutos
Género : Biográfico/Comédia
Realização : James Franco
Produção : James Franco
Elenco : James Franco, Dave Franco, Seth Rogen, Alison Brie, Ari Graynor, Jacki Weaver, Paul Scheer, Josh Hutcherson, Zac Efron, June Diane Raphael, Megan Mullally, Andrew Santino, Jason Mantzoukas, Nathan Fielder, Joe Mande, Sharon Stone, Melanie Griffith, John Early, Charlyne Yi, Megan Ferguson, Kelly Oxford, Tommy Wiseau.

História : Um aspirante a actor e o seu estranho amigo decidem fazer um filme que, pelos piores motivos, se tornou num grande sucesso e viria a transformar-se numa obra de culto.

Comentário : Em 2003, “The Room”, um filme realizado, protagonizado, escrito, produzido e financiado por Tommy Wiseau, um misterioso homem que alegava ser americano, estreou-se em apenas duas salas de cinema de Los Angeles. Foi um enorme desastre de bilheteira. Mas tornou-se num filme de culto, com sessões especiais regulares que continuam até hoje. E tudo pela forma incompetente e incoerente como o filme foi feito. O realizador James Franco faz assim um filme biográfico onde mostra o trabalho de Tommy Wiseau, um homem desconhecido, cuja idade, família e origem são igualmente desconhecidas e onde se desconhece onde ele arranjou todo aquele dinheiro para produzir e realizar “The Room”. Franco interpreta assim o próprio Wiseau, enquanto o seu irmão, Dave Franco desempenha o seu amigo, Greg Sestero. Eu confesso que não vi o tal filme que é considerado como um dos piores filmes da história do cinema. Ainda assim, ri algumas vezes durante este filme de James Franco, tudo porque este está idêntico ao Tommy Wiseau, até no detalhe do olho. Dave Franco está apenas razoável. Ainda assim, tenho que dizer que os dois possuem uma boa química enquanto personagens, eles funcionam muito bem juntos, mesmo nos momentos em que discutem. Eu adorei ver os manos Franco trabalharem juntos, muito sinceramente. Na minha opinião, James Franco é um bom profissional e eu gosto imenso do seu trabalho, seja como actor ou como realizador e estou-me nas tintas para aquilo que dizem dele. E digo mais, depois de ver este seu novo filme, fiquei com vontade de ver “The Room”, talvez um dia lhe dê atenção. James Franco consegue assim a segunda melhor interpretação da sua carreira e foi injusto não o terem nomeado este ano para melhor actor nos oscars. 

God's Own Country

Nome do Filme : “God's Own Country”
Titulo Inglês : “God's Own Country”
Ano : 2017
Duração : 104 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Francis Lee
Produção : Manon Ardisson/Jack Tarling
Elenco : Josh O'Connor, Alec Secareanu, Gemma Jones, Ian Hart, Melanie Kilburn, Sarah White, Patsy Ferran, Liam Thomas, Naveed Choudhry, Harry Lister Smith.

História : Um jovem chamado Johnny Saxby ajuda os pais na quinta da família, mas ele esconde um segredo. Quando o pai adoece, é chamado à propriedade para trabalhar como interno um jovem chamado Gheorghe. Quando menos espera e graças a Gheorghe, Johnny Saxby vê o seu segredo vir à tona.

Comentário : Quaisquer semelhanças entre este filme e a obra “Brokeback Mountain” é pura coincidência. Na verdade, os dois filmes são muito parecidos, mas este que venho agora aqui analisar soma pontos porque os protagonistas são atores desconhecidos do grande público, o que torna tudo mais real. Apesar de não me agradar muito este tipo de situação, eu respeito este tipo de relação e gostei de ver este filme, afinal, o meu tipo preferido de filmes, são aqueles que mostram as relações humanas. E sobre esse aspecto, este filme faz isso na perfeição. O realizador trabalha e desenvolve muito bem a relação dos dois rapazes e transforma-os em dois personagens cheios de camadas. Existe uma boa dinâmica entre Josh O'Connor e Alec Secareanu, os actores são bons e graças às suas prestações, ofereceram-nos dois personagens muito humanos e credíveis, eu importei-me realmente por eles e fiquei a torcer para que ficassem juntos. Adornado de imagens muito bonitas e de outras um pouco desnecessárias, o filme soma pontos também no que ao argumento diz respeito, já para não falar na qualidade da fotografia que é praticamente exímia. Por me causarem impressão, não gostei nada das cenas dos nascimentos das cabras e das ovelhas nem dos exames que os protagonistas faziam aos animais. Existe aqui uma cena muito bonita e bastante emotiva que decorre numa banheira e que envolve o personagem principal e o seu pai já muito doente. Claro que se isto fosse uma história de amor heterossexual ou lésbica, eu iria gostar muito mais, mas é o que temos, o resultado final é positivo. 

Rodin

Nome do Filme : “Rodin”
Titulo Inglês : “Rodin”
Titulo Português : “Rodin”
Ano : 2017
Duração : 120 minutos
Género : Biográfico/Drama/Romance
Realização : Jacques Doillon
Produção : Kristina Larsen
Elenco : Vincent Lindon, Izia Higelin, Severine Caneele, Pauline Cousty, Louise Le Pape, Nia Acosta, Guylene Pean, Lea Jackson, Morgane de Vargas, Cendrine Gourbin, Patricia Mazuy, Magdalena Malina, Olivia Baes, Svetlana Semusheva, Cleo Senia, Bernard Verley, Anders Danielsen Lie, Laurent Poitrenaux, Arthur Nauzyciel, Olivier Cadiot, Pascal Casanova, Edouard Duthuille, Anthony Bajon, Maxence Tual.

História : A vida e a obra de Auguste Rodin e a sua relação com a artista Camille Claudel.

Comentário : Confesso que me estou a borrifar para as criticas muito negativas que este filme auferiu, porque eu adorei esta fita, a todos os níveis. É um filme calmo e reflectivo, que segue a um ritmo lento mas nunca secante, com imagens contemplativas e muito bonitas, certamente não é um filme para todos os públicos. Passadas duas horas do seu começo, eu vibrava de satisfação por ter “conhecido” um artista do qual eu não sabia nada, nem escultor famoso eu sabia que ele tinha sido. O filme funciona também como sendo um folheto visual e informativo sobre a vida de um homem muito peculiar e que nos facultou obras que ainda hoje são admiradas, as cenas que encerram o filme provam isso. É caso para dizer : Vai-se o homem, fica a sua obra. O filme foca também as mulheres na vida de Rodin, com principal incidência para Rose e para a sua eterna amada Camille Claudel, também ela artista, os dois eram excelentes escultores, o filme mostra e fala disso também.

E se como protagonista, Vincent Lindon tem uma das melhores prestações da sua carreira, também Izia Higelin consegue o mesmo feito, além de muito bonita e sensual, a actriz convence totalmente no papel da artista que fez Rodin suspirar de amor. O filme mostra também que Rodin não sabia muito bem lidar com as mulheres, apesar de ter grande sucesso junto delas, na arte, na amizade e no amor. Para Rodin, era difícil assumir os filhos que ia fazendo nas mulheres com quem tinha relações, mas era muito fácil tomar as suas obras como se de descendentes seus se tratassem. A fita dá-nos várias referências a outros artistas da época e fora dela. Temos muitas imagens de mulheres nuas, mas tudo aqui é levado para o lado artístico. Gosto muito dos filmes deste realizador e gostei mais ainda da maneira como ele nos apresentou as suas versões de Auguste Rodin e de Camille Claudel.

Molly's Game

Nome do Filme : “Molly's Game”
Titulo Inglês : “Molly's Game”
Titulo Português : “Jogo da Alta-Roda”
Ano : 2017
Duração : 140 minutos
Género : Biográfico/Crime/Drama
Realização : Aaron Sorkin
Produção : Amy Pascal/Matt Jackson/Mark Gordon
Elenco : Jessica Chastain, Kevin Costner, Idris Elba, Jeremy Strong, Michael Cera, Chris O'Dowd, J. C. Mackenzie, Bill Camp, Graham Greene, Brian d'Arcy James, Justin Kirk, Angela Gots, Natalie Krill, Stephanie Herfield, Madison McKinley, Claire Rankin, Whitney Peak, Khalid Klein, Matthew Matteo, Jacob Blair, Chris Boyle, Duane Murray, Jeff Kassel, Jason Weinberg, Rachel Skarsten, Moti Yona, Piper Howell, Samantha Isler.

História : No início dos anos 2000, Molly Bloom gere, entre Los Angeles e Nova Iorque, um importante jogo de póquer com apostas altas, em que participa um grupo altamente exclusivo de celebridades de Hollywood, do mundo do desporto, dos negócios e até da máfia russa. Quase dez anos depois, é apanhada pelo FBI e tenta defender-se.

Comentário : Aqui está um filme que, quando eu comecei a vê-lo, não dava nada por ele, mas com a continuação e apesar de lá pelo meio as coisas terem ficado chatas, acabei por gostar do que vi e não me arrependo nada de o ter visto. Trata-se de um filme biográfico, logo aí, Aaron Sorkin teve de ter cuidado para não passar para a tela nenhuma informação que comprometesse os visados. De facto, este estreante realizador saiu-se muito bem neste seu primeiro trabalho, escolhendo a história real de uma mulher extremamente inteligente que fugiu do caminho que era suposto trilhar e tomou uma direção que podia até conduzi-la à morte, afinal ela andava envolvida com peixe graúdo, gente criminosa ao mais alto nível. Gostei muito de ter ficado a saber desta história. Tal como disse, o filme é chato em algumas partes, por exemplo, nas sequências em que eles estão a jogar, mas tudo é devidamente compensado com os poderosos diálogos dos dois personagens principais, com a melhor sequência da fita a envolver uma conversa comovente e poderosa entre pai e filha que nos deixa boquiabertos.

A Jessica Chastain está perfeita neste filme, a sua personagem é complexa, inteligente e cativante, apesar do que ela faz ser condenável, nós acabamos por estar sempre do seu lado e isso deve-se também ao carisma da actriz. O Idris Elba tem aqui possivelmente a personagem em que eu mais gostei de vê-lo, é da boca dele que saem os melhores diálogos proferidos nesta fita, já para não falar que o actor tem uma forte presença no ecrã, para além de ser dele um discurso com dois investigadores que me deixou sem fôlego. E a química entre Chastain e Elba funciona na perfeição, os dois foram as escolhas perfeitas para estes papéis. Kevin Costner tem aqui uma presença muito paternal, ele desempenha o pai da protagonista, ele não é só um excelente actor como também é um verdadeiro senhor, dá prazer vê-lo a representar. A jovem Samantha Isler, que representa a adolescência da protagonista, tem uma sequência que envolve um interrogatório feito pelo pai, cujos conteúdos das respostas face às perguntas coincidem com aquilo que ela viveu na fase adulta e com aquilo que ela é, é de arrepiar. No fundo, trata-se de um filme muito bem conseguido e cuja história e respectivo desfecho nos deixa a pensar. 

The Post

Nome do Filme : “The Post”
Titulo Inglês : “The Post”
Titulo Português : “The Post”
Ano : 2017
Duração : 115 minutos
Género : Biográfico/Histórico
Realização : Steven Spielberg
Produção : Steven Spielberg
Elenco : Meryl Streep, Tom Hanks, Sarah Paulson, Alison Brie, Michael Stuhlbarg, Bob Odenkirk, Tracy Letts, Bradley Whitford, Bruce Greenwood, Matthew Rhys, Carrie Coon, Jesse Plemons, David Cross, Zach Woods, Pat Healy, John Rue, Rick Holmes, Philip Casnoff, Jessie Mueller, Stark Sands, Michael Cyril Creighton, Will Denton, Deirdre Lovejoy, Michael Devine, Kelly Miller, Jennifer Dundas, Austyn Johnson, Coral Peña, Deborah Green, Juliana Davies, Hazel Mason, Ginger Mason.

História : A posição assumida por Katharine Graham, proprietária do “The Washington Post”, quando o governo de Nixon tentou impedir o jornal de prosseguir com a publicação de uma extensa e ultra-secreta documentação sobre o envolvimento americano na Guerra do Vietname que Daniel Ellsberg, um funcionário do Pentágono, fizera chegar clandestinamente à imprensa. O braço-de-ferro entre a Casa Branca e a imprensa desembocou numa histórica decisão do Supremo Tribunal, que considerou inconstitucionais os mandados emitidos para impedir a publicação dos documentos, autorizando os jornais a prosseguirem a sua divulgação.

Comentário : Finalmente temos um filme sobre a liberdade de imprensa e o quanto vital ela é para a democracia. E temos assim não um dos melhores filmes do ano, mas sim um dos filmes mais importantes do ano e Spielberg fez bem ao ter insistido em levar este projecto até ao fim. O director nos apresenta assim uma obra cheia de diálogos sobre política, burocracia, jornalismo e liberdade. No centro de tudo, temos uma empatia fantástica entre os personagens de Meryl Streep e Tom Hanks, aliás, o relacionamento dos dois é um dos pontos mais importantes e positivos do filme. Nota-se claramente o respeito que um tem pelo o outro, basicamente, eles querem a mesma coisa para o jornal, mas discordam em quase tudo. A Meryl Streep merece e bem mais uma nomeação, ela está impecável aqui, interpretando uma mulher quase sempre rodeada por homens, o que a actriz faz com a sua personagem é sensacional, nos oferecendo as melhores cenas do filme, a sequência do telefone é a cereja no topo do bolo. O Tom Hanks não precisava de entrar neste filme para provar mais uma vez o que vale, ele é um excelente actor e aqui está novamente brilhante. O elenco de apoio é recheado de actores conhecidos e todos possuem personagens relevantes e desenvolvidas, ninguém está de graça ali. Eu adorei a sequência em que as máquinas começam a trabalhar e todo o escritório estremece. O filme passa bem a mensagem de que os líderes políticos e os grandes interesses erram muitas vezes e tudo fazem para silenciar e abafar os casos, querendo impedir a todo o custo que se saiba a verdade. A vitória da imprensa daquela altura teve repercussões até aos dias de hoje. Repito, não sendo um dos melhores filmes do ano, é seguramente um dos filmes mais importantes e obrigatórios do ano que passou.

Darkest Hour

Nome do Filme : “Darkest Hour”
Titulo Inglês : “Darkest Hour”
Titulo Português : “A Hora Mais Negra”
Ano : 2017
Duração : 125 minutos
Género : Biográfico/Drama/Histórico
Realização : Joe Wright
Produção : Lisa Bruce/Eric Fellner/Anthony McCarten/Douglas Urbanski
Elenco : Gary Oldman, Kristin Scott Thomas, Ben Mendelsohn, Lily James, David Strathairn, Ronald Pickup, Stephen Dillane, Nicholas Jones, Samuel West, David Schofield, Richard Lumsden, Malcolm Storry, Hilton McRae, Benjamin Whitrow, Joe Armstrong, Adrian Rawlins, David Bamber, Paul Leonard, Eric MacLennan, Philip Martin Brown, Demetri Goritsas, Mary Antony, Bethany Muir, Anna Burnett, Jeremy Child, Brian Pettifer, Hannah Steele, Nia Gwynne, James Eeles, Richard Glover, Tom Ashley, Faye Marsay, Imogen King, Bronte Carmichael.

História : No ano de 1940, a Europa atravessa um período negro, com a Alemanha nazi a ganhar território e poder sobre as forças aliadas. Winston Churchill é um estadista brilhante que, a 10 de Maio desse mesmo ano, se vê nomeado de urgência para o cargo de primeiro-ministro britânico. Poucos dias depois da tomada de posse, depara-se com a maior e mais difícil decisão da sua vida : aceitar um tratado de paz com a Alemanha, submetendo-se às suas ordens; ou declarar guerra ao inimigo, lutando pela liberdade e independência do seu povo.

Comentário : Claramente que não podia deixar passar este novo filme de Joe Wright, um director muito dado a filmes de época, com alguns bons registos na sua ficha, mas com fracassos também. O que Joe Wright nos propõe com este seu novo trabalho é analisarmos a pessoa de Winston Churchill e aquilo que ele fez pela Inglaterra naquela época. Pessoalmente, não conheço quase nada do homem retratado neste filme e por isso não posso fazer comparações, apenas posso constatar que Gary Oldman está irreconhecível no papel daquele primeiro-ministro e teve uma das melhores prestações da sua carreira. Eu gosto do actor, ele é um verdadeiro senhor e ficou muito bem neste papel. Nota também positiva para a fantástica recriação de época, a esse nível está convincente. O filme funciona muito bem igualmente a nível técnico, com uma cuidada fotografia, veja-se a excelente cena em que o protagonista acende um fósforo no seu quarto escuro, logo no início do filme. Toda a produção está de parabéns, nota-se que houve um cuidado extremo nos detalhes, com todos os artefactos de época, mobílias, guarda-roupa e veículos, tudo perfeito e a condizer. O realizador passou bem a mensagem de que Winston Churchill nunca se curvou perante os alemães e sempre defendeu a liberdade do seu povo. Gary Oldman possui a melhor interpretação do filme e aqui vale dizer que o actor carrega o filme nos ombros com muita elegância. Kristin Scott Thomas e Lily James tentaram o que puderam, mas infelizmente, foram totalmente abafadas pelo elenco masculino, que obviamente domina nesse campo. A cena do metro consegue ser em simultâneo a mais ridícula e absurda do filme e também a mais bonita e cheia de significado. Confesso ter gostado deste filme, embora tenha ficado, no decorrer da projeção, ligeiramente cansado de o assistir, prefiro claramente o seu primo próximo : “Dunkirk” de Christopher Nolan. 


Last Flag Flying

Nome do Filme : “Last Flag Flying”
Titulo Inglês : “Last Flag Flying”
Titulo Português : “Derradeira Viagem”
Ano : 2017
Duração : 126 minutos
Género : Drama/Histórico
Realização : Richard Linklater
Produção : Richard Linklater
Elenco : Bryan Cranston, Laurence Fishburne, Steve Carell, Tammy Tsai, J. Quinton Johnson, Deanna Reed Foster, Yul Vazquez, Graham Wolfe, Jeff Monahan, Dontez James, Richard Barlow, Cathy O'Dell, Richard Robichaux, Jerry Lee Tucker, Cicely Tyson.

História : Doc visita Sal, um ex-colega dos tempos em que esteve na Marinha. No dia seguinte, os dois vão procurar o pastor Richard, companheiro de ambos no Vietname. Ao conversarem sobre as suas vidas, Doc explica-lhes a razão do seu súbito reaparecimento : a mulher faleceu recentemente e ele precisa que o acompanhem ao funeral de Larry, o seu único filho, que foi morto no Iraque. Juntos, os três amigos vão fazer uma longa viagem que vai expor feridas que há muito julgavam saradas.

Comentário : É verdade que o realizador Richard Linklater já nos deu muito melhor, por exemplo, a trilogia “Before” ou o excelente “Boyhood”, que são quatro dos meus filmes preferidos. Mas qualquer bom realizador tem os seus altos e baixos e este seu novo trabalho não é dos seus melhores registos. O grande destaque deste filme vai totalmente para o trio de actores protagonista, cada um à sua maneira, fizeram um excelente trabalho de representação. Bryan Cranston foi o que teve o personagem mais interessante do trio, portador de mais uma boa interpretação, o actor provou que ainda tem algo para dar e convenceu no seu papel de veterano de guerra. Laurence Fishburne tem aqui o personagem menos interessante do trio, mas e apesar disso, eu gostei bastante do seu reverendo e o actor foi responsável por tiradas muito boas da parte do seu personagem. Steve Carell não tem a melhor personagem, mas é seguramente o mais complexo dos três, o seu drama é mais intenso e pesado, apesar de ser um actor mais virado para as comédias, Carell tem aqui um dos seus personagens mais consistentes.

Em tirando a componente interpretativa à qual se aliam alguns poderosos diálogos, o filme não tem mais nada a nos oferecer, sendo mais uma fita que serve para enaltecer o ego americano e a suposta bravura e bondade dos soldados seja no Vietname, no Iraque ou em qualquer outra parte do mundo. Infelizmente, trata-se de mais um filme feito por americanos que tenta passar a mensagem que os seus soldados vão sempre nas missões para praticar o bem nos países onde estão destacados, quando na realidade e na maior parte dos casos e à parte dos médicos, eles só vão para lá, tendo actos duvidosos e com a suposta superioridade face aos povos desses países; às ordens dos grandes interesses superiores e na maior parte dos casos, para morrer em combate ou para regressar a casa traumatizados de guerra e estragando as vidas aos que cá estão, tudo a troco de nada. Se por um lado temos uma excelente sequência entre os três que decorre num comboio, por outro lado e no mesmo veículo, temos igualmente as piores cenas do longa resultantes de conversas machistas. O filme é fraco, mas não culpemos o realizador por isso.

All The Money In The World

Nome do Filme : “All The Money In The World”
Titulo Inglês : “All The Money In The World”
Titulo Português : “Todo o Dinheiro do Mundo”
Ano : 2017
Duração : 132 minutos
Género : Biográfico/Crime/Drama
Realização : Ridley Scott
Produção : Ridley Scott
Elenco : Christopher Plummer, Michelle Williams, Mark Wahlberg, Romain Duris, Timothy Hutton, Charlie Plummer, Charlie Shotwell, Andrew Buchan, Marco Leonardi, Giuseppe Bonifati, Nicolas Vaporidis, Andrea Piedimonte Bodini, Guglielmo Favilla.

História : A 10 de Julho de 1973, John Paul Getty III, de 16 anos, é raptado em Roma, Itália. Um resgate é imediatamente exigido : 17 milhões de dólares em troca da vida do rapaz. Desesperada, Gail Harris, a mãe, pede ajuda ao ex-sogro, J. Paul Getty, considerado o homem mais rico do mundo. Contra todas as previsões, o patriarca recusa-se a ceder aos raptores, para evitar abrir o precedente para futuros raptos. Perdida e sem saber o que fazer, Gail encontra em Fletcher Chase, o braço direito de J. Paul Getty, o aliado de que precisa para resgatar o seu filho.

Comentário : O cinema de Ridley Scott anda pelas ruas da amargura e isso não devia ser segredo para ninguém. Se tirarmos “American Gangster” e “The Martian”, nos últimos cerca de dez anos, o homem só tem tido fracassos. Mas o que ninguém viria a supor era que Ridley Scott ia descer tão baixo como aconteceu com este “All The Money In The World” e já direi porquê. Creio que já disse num qualquer comentário anterior que temos que separar o artista e a sua obra da sua vida pessoal e da sua conduta. Isto para dizer aqui que foi indecente o que Ridley Scott fez com o actor Kevin Spacey neste filme. Independentemente daquilo que o actor tenha feito na vida real e isto falando na questão tão badalada do assédio sexual, foi uma total falta de respeito para com ele, o facto do realizador o ter eliminado do filme e substituí-lo pelo grande Christopher Plummer, voltando a filmar as cenas. Foi também uma grande falta de respeito para com o trabalho já feito de Spacey e pelo profissional que ele é, que diga-se se passagem, Kevin Spacey já deu provas mais que suficientes de que é um excelente actor.

Mas não se enganem aqueles que pensam que Ridley Scott tirou Kevin Spacey do seu filme e o substituiu por Christopher Plummer devido à suposta conduta negativa do actor, nada disso. O realizador fez isso não como forma de punição do actor pelo sucedido, mas sim porque sabia perfeitamente que o seu filme ia ser um fracasso nas bilheteiras (e não de crítica) pela presença do actor. Ou seja, tratou-se claramente de colocar à frente o interesse comercial e a obtenção de lucro em vez da questão artística e do cinema enquanto arte, o que é altamente condenável. Mas as nossas más atitudes normalmente têm consequências negativas e, neste caso, foi bem feito para Ridley Scott que o seu novo filme foi mesmo um fracasso de bilheteira e da crítica especializada. Aliás, ironia do destino, o único ponto positivo que se encontra neste filme é a presença e prestação de Christopher Plummer, mas que ainda assim, não restem dúvidas que Kevin Spacey também se saíria muito bem neste papel. Deste modo, Ridley Scott falha mais uma vez, oferecendo-nos assim um produto descartável.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

The Wound

Nome do Filme : “Inxeba”
Titulo Inglês : “The Wound”
Ano : 2017
Duração : 89 minutos
Género : Drama/Crime
Realização : John Trengove
Produção : Cait Pansegrouw/Elias Ribeiro
Elenco : Nakhane Toure, Bongile Mantsai, Niza Jay Ncoyini, Thobani Mseleni, Gabriel Mini, Zwelakhe Mtsaka, Menzeleli Majola, Gamelihle Bovana, Halalisani Bradley Cebekhulu, Inga Qwede, Sibabalwe Ngqayana, Siphosethu Ngcetane, Luyanda Vongo, Thando Mhlontlo, Anga Ntsepe.

História : Xolani, um operário solitário, viaja para as montanhas rurais com os homens de sua comunidade com intuito de actuar nos rituais deles, que consiste na circuncisão de adolescentes, para que eles ingressem finalmente na vida adulta, tornando-se homens.

Comentário : Esta noite vi este filme africano que, para grande surpresa minha, acabei por gostar. Não é um filme para todos os públicos, ele possui um ritmo lento e é uma história que custa a pegar, só lá para o meio, a coisa começa a ganhar interesse. É um filme cuja ação decorre principalmente em ambientes rurais e nesse aspecto, faz bom uso das paisagens, tendo imagens muito bonitas. O filme aborda uma cultura do sul de África, alguns dos seus costumes que, podendo parecer condenáveis, são parte daquele povo. Penso que a maior parte dos actores que compõem o elenco são amadores. A homossexualidade também tem aqui lugar e tem um tratamento bem pesado, sendo vista por um dos adolescentes como algo altamente condenável. O Nakhane Toure é o protagonista do filme, ele vive dividido pela vida, se por um lado ele ensina rapazes a tornarem-se homens, por outro, foge a essa conduta, mantendo relações sexuais com outro colega. No entanto, o jovem actor possui a melhor prestação do filme. O Bongile Mantsai representa o homem vivido, ele é casado e pai de filhos, mas ainda assim, é também homossexual. O actor em questão transmite muito bem a dureza do seu personagem, bem como a incerteza daquilo que pretende para a vida. O jovem Niza Jay Ncoyini desempenha o iniciado mais inteligente de todos, para além de ser mais instruído do que a maioria dos homens que ali se encontram. Eu achei o seu personagem bastante interessante e completo. Além disso, a química entre os dois instrutores é forte e cada um dos actores que os desempenham, conseguiram transmitir os dilemas dos seus personagens. A cena da matança da cabra era desnecessária e a sequência em que Kwanda descobre os dois mentores completamente despidos e abraçados é brutal. Raramente vejo cinema africano, mas deste, gostei. 

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Yourself And Yours

Nome do Filme : “Dangsinjasingwa Dangsinui Geot”
Titulo Inglês : “Yourself And Yours”
Ano : 2016
Duração : 86 minutos
Género : Drama
Realização : Hong Sangsoo
Produção : Hong Sangsoo
Elenco : Kim Juhyuk, Lee Youyoung, Kwon Haehyo, Yoo Joonsang, Kim Euisung.

História : Youngsoo é um tipo que anda em maré de azar, ele lesionou-se numa perna e a namorada abandonou-o depois dos dois terem uma discussão fomentada pelos amigos dele. Agora, ele sente-se arrependido e só quer reaver a antiga companheira não só para lhe pedir desculpas, mas também para tentar recuperar a relação.

Comentário : Confesso que gosto bastante de cinema coreano e oriental, principalmente vindo das mãos de Hong Sangsoo, um cineasta muito acarinhado pelos nossos críticos portugueses e que rodou filmes muito bons, daqueles que abordam as relações humanas de uma maneira como nenhum outro realizador faz. Hong Sangsoo filma com paciência e é com calma que conta e mostra os seus personagens, sem pressas nem artefactos, ele sabe muito bem a história que pretende contar e o faz com empenho, ou não fosse ele um cineasta que trata por tu a sétima arte. As suas histórias têm conteúdo e respiram cinema, os seus personagens e respectivos diálogos são cheios de identidade e são ricos de substância, eles são essenciais e são o fio condutor necessário para que o realizador conclua o seu trabalho com sucesso.

E no caso deste seu recente filme, passa-se o mesmo, qualquer espectador dito leigo ou pouco dado às andanças anuais de Hong Sangsoo, entra totalmente às escuras na sala de cinema para assistir a um filme seu, e poderá sair dela quase na mesma conforme entrou. Não é fácil gostar-se do cinema de Hong Sangsoo, é verdade, mas quem segue o trabalho do director, sabe o que pode esperar dele. Pessoalmente, eu não só gosto dos seus filmes como também defendo a maneira dele filmar e contar as suas histórias, é bom ser diferente, é bom haver diversidade em todas as áreas e na sétima arte mais ainda. Mais uma vez, o elenco está de parabéns e o destaque óbvio vai para o “casal” protagonista, Kim Juhyuk é talentoso e convenceu no seu papel enquanto que Lee Youyoung é não só muito bonita, como também teve uma boa interpretação. Temos bons diálogos e sequências muito bem filmadas. É muito bom para qualquer cinéfilo assistir às relações humanas filmadas por Hong Sangsoo.

Everything Beautiful Is Far Away

Nome do Filme : “Everything Beautiful Is Far Away”
Titulo Inglês : “Everything Beautiful Is Far Away”
Ano : 2017
Duração : 91 minutos
Género : Drama/Ficção-Científica
Realização : Pete Ohs/Andrea Sisson
Produção : Pete Ohs/Andrea Sisson
Elenco : Joseph Cross, Julia Garner, C. S. Lee, Jillian Mayer (voice).

História : Num futuro distópico, um homem chamado Lernert atravessa o deserto em busca de recursos, carregando consigo os mantimentos de que precisa para sobreviver e uma cabeça de um robôt que lhe é muito útil. Um dia, ele encontra uma jovem chamada Rola e isso marca o início de uma grande amizade.

Comentário : Este filme é uma obra muito independente e muito diferente daquilo que estamos acostumados a ver em fitas sobre mundos distópicos, já que não tem tiros, explosões e efeitos especiais. É antes, uma obra muito contida e firme nos seus propósitos. Filmado de forma quase amadora, este filme tem apenas três personagens e uma voz activa, que é pertencente ao robôt, a única companhia e ajuda do protagonista masculino. No início, o filme parece ser muito estranho, a mim particularmente foi essa a sensação que me causou, mas depois ganhamos empatia com o que vemos diante da tela e desejamos ver mais. É uma história muito simples, não esperem grandes acontecimentos à volta destes três personagens, quase quatro, aliás, o terceiro elemento do elenco só aparece por cerca de dois ou três minutos, eu quase me arriscaria a dizer que ele não acrescenta nada ao longa.

O filme centra-se basicamente em Lernert e Rola, enquanto personagens principais e físicos, tendo o tal tobôt como espécie de auxiliar de ambos. O filme bebe muito da fonte do novo “Mad Max”, ou seja, é a prova que não precisa de grandes cenários aparatosos para causar impacto, no caso destes dois filmes, basta-nos o deserto, que funciona muito bem como cenário único e palco para a ação de desenrolar. Também não são para aqui chamados grandes efeitos especiais. Se o recente filme de George Miller recorreu ao máximo a efeitos práticos, este então leva isso ao extremo. Joseph Cross tem uma interpretação solene e razoável, é fácil nós ganharmos gosto por ele e prazer em seguir a sua jornada. Por seu lado, Julia Garner manda muito bem também, aliás, os dois juntos e o relacionamento que se estabelece entre eles é a grande mais valia do filme. A banda sonora é esquizofrénica, eu preferia que fosse um filme sem música, só com os sons do que se passa, isso seria o ideal. Por último, tenho que dizer que adorei o robôt. É um filme que vive de momentos, onde o amor que Rola passa a sentir por Lernert é a cereja no topo do bolo. 

Wonder

Nome do Filme : “Wonder”
Titulo Inglês : “Wonder”
Titulo Português : “Wonder – Encantador”
Ano : 2017
Duração : 113 minutos
Género : Drama
Realização : Stephen Chbosky
Produção : David Hoberman/Todd Lieberman
Elenco : Julia Roberts, Jacob Tremblay, Izabela Vidovic, Owen Wilson, Danielle Rose Russell, Elle McKinnon, Millie Davis, Mandy Patinkin, Noah Jupe, Bryce Gheisar, Daveed Diggs, Ty Consiglio, Kyle Breitkopf, James Hughes, Douglas Stewart, Nadji Jeter, Sonia Braga, Michael Alan Healy, Hannah Hoberman, Izzy Lieberman, Benjamin Ratner, Emily Delahunty, Lucia Thain, Sasha Neuhaus, William Dickinson, Lidya Jewett, Kaelyn Breitkopf, Alyssa Andronyk, Emma Tremblay, Maccie Margaret Chbosky.

História : Auggie Pullman, de dez anos, sofre de uma malformação congénita rara que se manifesta em deformações no crânio e na face. Foi operado diversas vezes ao longo da sua curta existência. Agora que está a iniciar o quinto ano de escolaridade, os pais entendem que é o momento ideal de ele deixar de estudar em casa e de se aventurar numa escola.

Comentário : Este foi o primeiro grande filme que vi neste novo ano. E este realizador acertou mais uma vez com este seu novo trabalho, ele é bom a trabalhar com crianças e jovens. É um filme terno, comovente, sincero e muito dramático, quem o vê sai dele consciente daquilo que o seu autor quis transmitir. O filme estabelece muito bem certos personagens, dando o tempo de antena necessário a cada um deles e fazendo com que o público os entenda melhor, os compreenda e depois tire as suas próprias conclusões. O argumento também ajuda nesse sentido, no fim quase tudo se encaixa devidamente, apesar do final ser um pouco cliché. Aqui são abordados temas como a indiferença, a maldade infantil, o desprezo, a fraca auto estima, a imaturidade, o bullying, a violência juvenil, a vida nas escolas, os diferentes tipos de amor, a dor da perda, o saudosismo e quase tudo é trabalhado nas devidas proporções.

A Julia Roberts e o Owen Wilson estão muito bem nestes papéis, eles incutem nos seus personagens o vigor necessário para uns pais com um filho naquela situação. O Jacob Tremblay (Room) está perfeito, mesmo com as próteses e toda aquela maquilhagem, ele consegue (em parte) transmitir quase tudo o que um menino com os seus problemas sentiria, ele é realmente um dos melhores atores mirins da actualidade. Izabela Vidovic (Homefront) desempenha a irmã mais velha do protagonista e curiosamente, é ela quem possui o personagem mais complexo da história, quem viu o filme, perceberá o que eu quero dizer. Além disso, a actriz não só possui a melhor prestação do filme, como também a sua personagem vive uma situação com a sua melhor amiga que é muito bonita e comovente. Todo o elenco infantil e juvenil esteve muito bem, com destaque para Danielle Rose Russell, Noah Jupe e Millie Davis. O filme peca apenas pelo facto de ser pouco realista e de não nos facultar a verdade, ou seja, a situação de qualquer criança com aquele problema, na vida real, seria bem pior. 

Wonderstruck

Nome do Filme : “Wonderstruck”
Titulo Inglês : “Wonderstruck”
Titulo Português : “Wonderstruck – O Museu das Maravilhas”
Ano : 2017
Duração : 116 minutos
Género : Drama/Mystery
Realização : Todd Haynes
Produção : Pamela Koffler/John Sloss/Christine Vachon
Elenco : Julianne Moore, Michelle Williams, Millicent Simmonds, Oakes Fegley, Cory Michael Smith, Damian Young, Lauren Ridloff, Patrick Murney, James Urbaniak, Anthony Natale, Brian Berrebbi, Ekaterina Samsonov, Sawyer Niehaus, Lilianne Rojek, Jaden Michael, Morgan Turner, Tom Noonan, Amy Hargreaves, Sawyer Nunes.

História : Ben e Rose são crianças de duas eras distintas que, secretamente, desejam vidas diferentes. Ben anseia pelo pai desconhecido, enquanto Rose sonha com uma atriz. Quando Ben descobre uma pista e Rose lê uma notícia no jornal, ambos partem em jornadas que se desenrolam com uma simetria fascinante, separados por 50 anos.

Comentário : A sensação depois de ter visto este filme é de uma grande satisfação, foi uma fita que durante a sua projeção gerou um clima de mistério e isso foi impressionante porque às tantas eu estava à espera que certos acontecimentos iam convergir numa determinada situação e resultam em algo completamente diferente. O que temos aqui são duas histórias que de início parecem ser diferentes, mas que depois ficamos a saber que possuem muito em comum, apurando-se no final que ambas estão relacionadas. Pessoalmente, eu gostei imenso das duas histórias, mas a parte do menino lá no meio perde um pouco o ritmo. Já o arco que envolve a menina é bem mais interessante e é mostrado a preto e branco e quase sem som, e isso acontece devido ao facto da personagem ser surda e muda.

A jovem Millicent Simmonds é muito bonita e tem um olhar e uma expressividade muito peculiares, esta pequena actriz esteve muito bem neste papel, vale dizer que ela fica melhor com o cabelo comprido do que com ele curto. Eu fiquei mesmo surpreendido com esta jovem e estou ansioso pelo seu próximo filme que chegará em breve. Ela é a responsável pelo arco mais interessante do filme. Dono do outro arco do filme, encontramos o jovem Oakes Fegley, eu já o conhecia de outros dois filmes, e ele aqui está igualmente perfeito, ele convence na perfeição no papel de menino “perdido” e desesperado que procura por respostas. Já Julianne Moore e Michelle Williams aparecem tão pouco que é uma pena, eu gostava de ter visto mais delas nestas personagens. A fotografia deambula suavemente entre imagens a cores e cenas a preto e branco, entre épocas; 1927 e 1977 estão convincentes, ambas as recriações de época estão aceitáveis. E as revelações finais são consistentes, embora eu tenha que confessar que esperava algo mais surpreendente. É um bom filme, eu gostei bastante. 


sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Lucky

Nome do Filme : “Lucky”
Titulo Inglês : “Lucky”
Titulo Português : “Lucky”
Ano : 2017
Duração : 88 minutos
Género : Drama
Realização : John Carroll Lynch
Produção : Danielle Renfrew Behrens
Elenco : Harry Dean Stanton, David Lynch, Ron Livingston, Tom Skerritt, Beth Grant, Ed Begley Jr., James Darren, Barry Shabaka Henley, Amy Claire, Yvonne Huff, Hugo Armstrong, Bertila Damas, Ana Mercedes, Sarah Cook, Ulysses Olmedo, Mikey Kampmann.

História : Lucky, de 90 anos, vive numa pequena cidade do Texas. Os seus dias seguem iguais, com a constante repetição das rotinas.

Comentário : Trata-se de um filme simples que funciona como uma última homenagem ao grande actor Harry Dean Stanton, aqui no seu último grande papel, já que viria a falecer alguns meses depois. Com este filme, o actor faz ainda uma reflexão sobre a sua vida, onde o seu personagem é um pouquinho o espelho dele mesmo. Nesta fita, Harry Dean Stanton representa-se a ele mesmo e o resultado são oitenta minutos de cenas interessantes mas que não têm grande relevância, ou pelo menos aparentemente. Aqui o foco está em acompanhar o quotidiano deste personagem, as suas conversas com os restantes personagens, testemunharmos algumas situações engraçadas e outras bastante curiosas. Eu gostei de ter revisto David Lynch e Tom Skerritt, dois verdadeiros senhores, tal como Stanton, os três a fazer cinema. Para mim, o momento mais alto do filme é aquela longa conversa que o protagonista tem com o personagem de Skerritt sobre a guerra, a ser verdade aquilo e até dá para chorar, de tão chocante e emocionante. Temos também direito a algumas piadas pelo meio, mas nada que afecte o clima de dramatismo quase sempre presente. O filme vale por tudo isto, mas vive essencialmente devido a Harry Dean Staton, é ele a grande estrela e o principal pilar desta fita. É lamentável que o actor que viveu este personagem não tenha sido reconhecido com uma nomeação ao oscar deste ano, em vez disso, temos a mesma merda do costume, é só interesses. Deste filme pode-se tirar algumas mensagens. O filme possui referências a outro grande trabalho do actor, de nome “Paris, Texas”. Também gostei da banda sonora e daquela sequência da festa de aniversário do menino, onde podemos contar com uma canção cantada pelo próprio Harry Dean Staton, que verdadeiro senhor, que descanse em paz. 

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Cherchez La Femme

Nome do Filme : “Cherchez La Femme”
Titulo Inglês : “Some Like It Veiled”
Titulo Português : “Há Quem As Prefira de Véu”
Ano : 2017
Duração : 88 minutos
Género : Comédia Dramática/Romance
Realização : Sou Abadi
Produção : Michael Gentile
Elenco : Felix Moati, Camélia Jordana, William Lebghil, Anne Alvaro, Predrag Manojlovic, Carl Malapa, Laurent Delbecque, Oscar Copp, Oussama Kheddam, Walid Ben Mabrouk, Mostafa Habibi, Hamidreza Djavdan, Behi Djanati Atai, Leli Anvar, Sam Mirhosseini, Shohreh Sabaghy, Sohelia Azizi.

História : Armand, filho de imigrantes iranianos, apaixona-se por Leila, uma colega da faculdade, e ambos fazem planos para passarem uma temporada em Nova Iorque. Mas os planos dos dois saem furados quando o irmão de Leila regressa do Médio Oriente transformado num fundamentalista e proíbe Armand de ver a namorada., mantendo-a presa em casa. Para contornar isso, Armand decide vestir uma burqa e fazer-se passar por uma mulher para poder visitá-la. Porém, a situação complica-se bastante quando o irmão de Leila se apaixona pela suposta amiga da irmã.

Comentário : Não devia ser segredo para quem me segue aqui, que o género de comédia é o único que eu não gosto. No entanto, gostei bastante deste filme e isso deve-se ao facto da fita não ser estúpida demais e de nem ter um humor ridículo, como a maioria das comédias americanas. Foi com grande gosto que segui a jornada destes personagens, com incidência no trio principal : Armand, Leila e Mahmoud. De facto, é muito fácil gostarmos e querermos acompanhar o que se passa com estes três personagens, principalmente com Armand. É que, estes três movem-se pelo amor e é pelo amor que eles tomam as decisões. O argumento é bom e a história torna-se apelativa, pessoalmente, senti-me totalmente imerso na trama e sempre na expectativa daquilo que viria a acontecer a seguir. O filme tem também uma componente política e discussões à cerca dos migrantes, temáticas que são trazidas à baila pelos pais de Armand. Certas situações são engraçadas, repito, sem nunca cair no ridículo, embora hajam alguns erros, ou seja, certos desajustes que facilmente são visíveis. No papel de Armand, encontramos um talentoso Félix Moati, este jovem convence como mulher debaixo de um longo vestido negro, onde só são visíveis os olhos, gostei muito dos dois personagens que ele interpreta. Como Mahmoud, William Lebghil manda bem, primeiro como “tarado” e fundamentalista, e posteriormente enquanto perdidamente apaixonado por uma suposta princesa. Registar o seu processo de evolução e mudança é um dos principais atractivos do filme. Por seu lado, a bonita e sensual Camélia Jordana tem aqui o papel feminino mais forte do longa, a jovem possui uma boa prestação e vive aqui três cenas em especial que me deixaram em delírio. No fundo, estamos perante um bom filme que prova que é possível fazer-se uma comédia séria e sem cair na estupidez.